"O amor não envergonha, não rejeita. O amor incita a crescer, inovar, criar.
O amor transforma, aflora sentimentos nobres".







 

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Haydée, Sahara & Michael Scull - Arte sem Fronteiras by Jade da Rocha




South Miami Beach- As irmãs gêmeas cubanas-chinesas mais famosas   de South Beach, Haydée e Sahara Scull,
nasceram em Havana, Cuba,
de onde fugiram no final da década de 60,
para se estabelecer em Miami, vindo a residir no
distrito Art Deco em South Beach.
Atualmente são reconhecidas pela arte de terceira
dimensão e estilo único que causa "frison"
desde a década de 70, com suas roupas
exuberantes e sandálias
flamejantes...                                     

como duas bonecas de porcelana que adormeceram no tempo em que Cuba  incitava a uma fuga para a liberdade.  Liberdade de expressão. Arte sem fronteiras...
Haydée e Sahara Scull, quando moravam em Cuba, estudaram arte na Escola de Belas Artes de San Alejandro em Havana. Em 1967, o filho de Haydée, Michael, foge de Cuba para o Canadá, para estudar Artes, mudando para Miami no ano seguinte, e recebe sua mãe Haydée e irmã Elizabete, vindas de Cuba. Em 1973 a família recebe Sahara. A partir daí estabeleceram residência no distrito de Art Deco de Miami Beach e em uma místura de cultura cubana com o mundo moderno de Miami, Haydeé, Sahara Scull & Michael conquistam o Universo com a beleza simples interna, imagem folclórica transportada por uma aura de conexão espiritual brilhante, que através de suas telas imensas pintam um mundo colorido, com humor 3D e esculturas da antiga Havana para "private collectors".
Devido ao seu imenso ssucesso, as Scull's foram fotografadas por Annie Leibovitz para o livro "Mulher"de Annie Leibovitz e Susan Sontag. O livro "Mulher" retrata mulheres de fibra que vivem nos Estados Unidos, entre elas Martina Navratilova, Marion Jones, e Jerry Hall, além das duas irmãs.
Tive o prazer de fazer parte do mundo de Haydée, Sahara Scull e Michael em um breve momento no Art Basel em Miami. Haydée, Sahara Scull e Michael são PLU$!

$$$Fotos by Becky Roche exclusivas para Revista Mundo em Estilo


sábado, 13 de fevereiro de 2010

Samba Enredo: Brasil by Jade da Rocha




A felicidade, contagiou meu coração
Na avenida com toda esta multidão.
De braços abertos,
Sambar com muita emoção.
Coração  chorando
Por meu amor, minha paixão.
Vem rolar no samba
E esquecer desilusão.

A felicidade, contagiou meu coração....

É carnaval, é carnaval...
Com o jeitinho brasileiro
Miami Beach, vai mostrar p/mundo inteiro
A nossa folia
O carnaval que é fevereiro....
E pros brasileiros
É carnaval o ano inteiro.

A felicidade ...
A felicidade, contagiou meu coração....

samba no pé
Homenagea a ilusão.
De entrar na avenida
E cantar este refrão

Oh, anjo dourado
Meus sentimentos
Seu perdão...
Vem brincar comigo
E esquecer toda a razão

A felicidade, contagiou meu coração....





quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Dia de Gratidão by Jade da Rocha




Hoje para mim, é um dia de gratidão!
Gratidão ao grande Deus por ter me colocado em um mundo
rodeado por familiares dotados do amor universal, bons amigos, bons colegas,
amores eternos. Meus dois filhos Patrick e Rebecca; minhas duas pérolas, meus anjos.
A sobrevivência em um mundo com sede de engolir a alma é uma batalha incansável
que nos deixa rancor, mágoas, frustrações, censuras.
Por causa de vocês, companheiros do dia a dia, eu consegui e consigo driblar as ondas
negativas e viver em um mundo de amor e magia.
Hoje, tenho o coração repleto de amor;
como um arquivo que necessita de update diário,
já que tudo que é ultrapassado, gera conflito.
O amor não envergonha, não rejeita.
O amor incita a crescer, inovar, criar.
O amor transforma, aflora sentimentos nobres.
Brota a semente da vida dentro do nosso íntimo.
Hoje, eu tenho a oportunidade de nascer novamente.
Hoje, estou aqui para falar de amor, para viver o amor,
para compartilhar esta energia intrínseca
que é o amor...
...amor universal!!!


sábado, 6 de fevereiro de 2010

Heitor Villa-Lobos - Acervo Nacional by Jade da Rocha



Heitor Villa-Lobos (5 de Março de 1887 – 17 de Novembro de 1959) compositor e condutor brasileiro, nasceu no Rio de Janeiro, a "Cidade Maravilhosa", à Rua Ipiranga, bairro de Laranjeiras.  Filho de Noêmia e Raul Villa-Lobos (músico amador e bibliotecário).
Heitor Villa-Lobos é considerado como "a única mais significativa criativa figura na música de arte brasileira do século XX" e um dos maiores músicos clássicos do planeta.
Com o fim do Império no Brasil e a  promulgação da 1ª Constituição da República Brasileira em 1891,
o marechal Floriano Peixoto é nomeado o novo presidente do Brasil. Nesta época a familia Villa-Lobos
vê-se obrigada a mudar do Rio de Janeiro, devido às aspirações politicas retratadas por seu pai em
relação ao marechal.
E nestas andanças entre Sapucaia-RJ , Bicas e Sant'Ana de Cataguazes-MG, foi introduzido à música
através do pai aos 6 anos de idade, aprendendo a tocar violoncelo, revelando assim a inclinação e paixão à música.
Em 1899, seu pai Raul Villa-Lobos, morre de varíola.
Em1900, compõe "Panqueca", em homenagem à sua mãe, Noêmia. Sendo sua primeira peça para violão.
Em 1903 participou do Tributo a Santos Dumont.
Entre 1905 e 1906, ja tocava em rodas e conjuntos de música popular tais como: música caipira, frevos, choros, reizados — peregrinando pelo Brasil a fora em fazendas e engenhos do Nordeste.
Nesta mesma época começou a compor modinhas instrumentais,tocando em bares de moda, cinemas e teatros.
Em 1908,  por um curto periodo, aula de harmonia de Frederico Nascimento e Agnello França, no Instituto Nacional de Música do Rio de Janeiro.
Em uma de suas citações comenta " "Um pé na academia e você muda para pior!"
Compõe "Cânticos Sertanejos" e "Mazurka-Choro" parte de "Suíte Popular Brasileira", a qual foi concluída em 1923.
Em 1912 embarca para o interior do Amazonas em busca de cultura etnica onde conviveu com a tribo indígena Caripunas do Mato Grosso.
A partir de 1913 Heitor Villa-Lobos volta a fixar residência na "Cidade Maravilhosa", com uma carga de folclore musical brasileiro incomensurável, que o levou a compor, em parte o "Guia Prático - 1º Volume" (canto orfeônico) e a paixão pela música o levou a estudar partituras de música clássica, entre eles Bach, Wagner e  Puccini, e compor música sinfônica, sacra, solística, teatral.
Em 12 de novembro de 1913, casa-se com a pianista Lucília Guimarães.
Em 29 de janeiro de 1915, realiza no Teatro Dona Eugênia, Nova Friburgo - Rio de Janeiro, o primeiro recital com obras de sua autoria, com Lucília Villa-Lobos ao piano e o compositor no violoncelo.
Causando impacto na sociedade brasileira com sua nova música influenciada pela pura cultura brasileira e "mix" europeu, sendo publicado pela empresa de Artur Napoleão.
Já naquela época o compositor causava inquietação aos criticos pela influência da  música clássica européia e folclore brasileiro transformado em um clássico, o qual os ouvidos mais afinados não haviam experimentado ainda tal intensidade em ornamentação orquestrada. Como ele mesmo dizia: "Minha música é natural, como uma cachoeira".
Em 1917, compõe os balés "Amazonas" e "Uirapuru", onde ele expressa o canto do verdadeiro uirapuru, os sons da floresta e seus animais, consagradas como umas das mais importantes partituras sinfônicas, "masterpiece" do planeta.
Em 1918, compõe o solo para o piano "A Prole do Bebê N° 1", que através da amizade estabelecida com o pianista Arthur Rubinstein, ficou reconhecido nos meios musicais internacionais, das mais influentes vanguardas europeias. Amizade esta que possivelmente o influenciou na composição da Simples coletânea de 1919, na sua turnê  pela América do Sul , tocando Ravel e Scriabin,  e Bailado Infernal de 1920.
A partir daí, deixaram de existir fronteiras no mundo de Heitor Villa-Lobos, as quais formalmente, nunca existiram...
A apresentação de Carnaval des Crianças, revela um Villa-Lobos's livre de tradições impostas pelo mundo exterior. Seu estilo é uma fusão futuristica.
Em 1921, dá início à uma de suas mais complexas obras "Rudepoema", para piano solo, dedicada ao pianista Arthur Rubinstein.
Em 1922, Arthur Rubinstein estréia a "Prole do Bebê N° 1" no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.
Neste mesmo ano é convidado a participar "solo" da Semana da Arte Moderna, "Semana de 22", no Teatro Municipal de São Paulo.
Em 1923, através da influência politica adquirida, embarca para a Europa, permanecendo em Paris.
Neste mesmo ano, escreve  "Noneto" - uma "Impressão Rápida de Todo o Brasil" - dedicado a Olívia Guedes Penteado.
Em 1924, estréiam em Paris  "Poème de l' Enfant et Sa Mère" e  "Noneto" com participação de Arthur Rubinstein, entre outros, sob o patrocínio da Embaixada do Brasil na França, na Salle des Agriculteurs.
Em 1925, embarca de volta ao Brasil apresentando vários concertos em São Paulo, Rio de Janeiro, Uruguai e Argentina.
Em 1926, inicia a composição para canto e piano de "Serestas".
Em 1927, embarca novamente para a Europa, residindo em Paris por um periodo de três anos Durante este periodo  Carlos Guinle patrocina a publicação de obras de Villa-Lobos - editora Max-Eschig.
Entre 1928 e 1929 dedica a obra "12 Estudos" a Andrés Segóvia e compõe  "Momoprecoce" para piano e orquestra dedicada a Magda Tagliaferro.
No ano seguinte, regressa ao Brasil no navio Araçatuba em direção a São Paulo, registrando um novo marco em sua carreira e compartilhando com o Brasil a era Getúlio Vargas que lhe serviu de grande oportunidade para a composição das 9 "Bachianas Brasileiras"  (1930-1945).
Em 1931 começa  uma excursão no interior paulista com a Caravana de Arte Brasileira, levando a cultura musical a 54 cidades. Neste mesmo ano, Villa-Lobos é convidado a organizar e dirigir a  Superintendência de Educação Musical e Artística (SEMA).
Reune em São Paulo cerca de 12.000 vozes, uma das maiores concentrações orfeônicas intitulada Exortação Cívica.
Em 1932, conhece sua futura esposa, Arminda Neves d'Almeida.
Com as mudanças na área da educação, torna-se obrigatório o ensino de música e canto orfeônico nas escolas. Como fruto desta nova era, finaliza o "Guia Prático - 1º Volume", uma compilação com o conteúdo de 137 canções populares e também  é criado o Curso de Pedagogia de Música e Canto Orfeônico, acompanhado por Villa-Lobos, resultando assim a criação do Orfeão dos Professores.
Foi uma verdadeira revolução na educação musical do Brasil, chegando a reunir nas "concentrações orfeônicas", até 44.000 vozes. Uma das maiores da Terra, levando a juventude brasileira ao Theatro Municipal do Rio de Janeiro sob a regência de Walter Burle-Marx apresentando uma série de concertos.
Em 1936, viaja à Europa, e quando em Berlim, sabe-se do término da sua relação com Lucília, e, com seu retorno ao Brasil, iniciou a união com  sua ex-aluna e companheira Arminda Neves d'Almeida, a Mindinha, a quem dedicou mais de 50 de suas composições.
Em 1937, compõe  as quatro suítes "Descobrimento do Brasil", para o Instituto do Cacau da Bahia, trilha sonora do filme "Descobrimento do Brasil" de Humberto Mauro, e estréia o bailado "Amáia", de Lorenzo Fernandez.
Neste mesmo ano, é feito membro honorário da Academia de Sta. Cecília de Roma
Em 1940 participa em pessoa do filme "Alô, Amigos" da Disney, junto ao próprio Walt Disney.
Em 1943, começa a colher os frutos da sua persistência e sonhos, sendo nomeado Diretor do Conservatório Nacional de Canto Orfeônico, criado pelo Governo Federal em 1942 .
Em 1944, viaja para os Estados Unidos abrindo novas fronteiras, idolatrado por todos de Nova York a Los Angeles, perplexos pela imensa transição cultural, através da sua interpretação musical. Recebe então o título "Doutor em Leis Musicais" no Occidental College de Los Angeles.
Em 1945, Villa-Lobos funda  a Academia Brasileira de Música, e é nomeado presidente. Neste mesmo ano, escreve o primeiro dos cinco concertos para piano e orquestra, dedicados  aos pianistas Ellen Ballon, Bernardo Segall , Felicja Blumental, João de Souza Lima e Arnaldo Estrella.
Também grava com  Bidu Sayão (soprano) , a "Ária (Cantilena)" da "Bachianas Brasileiras Nº 5" com um grupo de cellistas para a CBS - Columbia Broadcasting System.
Recebendo através desta gravação o Grammy Awards com o prêmio "Hall of Fame" em 1983.
Ainda em 1945, falece sua mãe, Noêmia Villa-Lobos.
Em 1947, de volta aos Estados Unidos para escrever o musical "Magdalena", juntamente com  Robert Wright e George Forrest, um projeto de Edwin Lester, presidente da Los Angeles Civic Light Opera Association.
Ainda nos Estados Unidos, conduz a Orquestra da CBS na apresentação de  "Bachianas Brasileiras Nº 3", no acompanhamento o pianista José Vieira Brandão como solista.
Em Roma, dirigindo a Orquestra da Academia de Santa Cecília, estréia a "Bachianas Brasileiras Nº 8" e a "Sinfonia Nº 2" de Lorenzo Fernandez, de autoria do escritor Olavo Bilac inspirada no "Caçador de Esmeraldas".
Em 1948, é eleito membro correspondente da Academia de Belas Artes do Instituto da França.
A ópera Malazarte estréia nos Estados Unidos.
Villa-Lobos descobre ser vítima de câncer na bexiga, sendo submetido a cirurgia  no Memorial Hospital de Nova York.
Estréia  em Los Angeles o musical "Magdalena".
Em 1949, estréia a "Sinfonia Nº 7", regendo a Orquestra Sinfônica de Londres - Inglaterra.
Em 1951, escreve o balé "Rudá" no Teatro Alla Scala de Milão.  Sob a direção de Robert Whitney, estréia "Erosão" para a Orquestra de Louisville-Kentucky nos Estados Unidos. E em 1952 submete-se a nova cirurgia no Memorial Hospital de Nova York.
Em 1953, dirige a Orquestra Sinfônica de Pittsburgh nos Estados Unidos, no "Concerto Nº 4 para Piano e Orquestra", com o solista Bernardo Segall.
Sob a direção de Robert Whitney, estréia "Alvorada na Floresta Tropical" para a Orquestra de Louisville-Kentucky nos Estados Unidos.
Em 1954, recebe o título de "Doctor of Music" na Universidade de Miami, EUA e a convite do governo de Israel, apresenta a primeira audição mundial em Haifa, pela Filarmônica de Israel, com o regente Michael Taube a "Odisséia de uma Raça". Entre este período e 1958 gravou para a EMI da França: as 9 "Bachianas Brasileiras", as 4 suítes do "Descobrimento do Brasil", o "Choros Nº 10", o "Momoprecoce" e o "Concerto Nº 5 para Piano e Orquestra".
Em 1955, dirigindo a Orquestra da Filadélfia, estréia no Carnegie Hall de Nova York a "Sinfonia Nº 8".
Recebe a medalha Richard Strauss da Sociedade Alemã de Proteção aos Direitos Autorais dos Músicos e Compositores.
Recebe a a Ordem do Mérito no grau de comendador das mãos do Presidente da República, Café Filho.
Em 1956 estréia em Nova York o balé "The Emperor Jones" para Empire State Music Festival e a "Sinfonia Nº 11" com a Orquestra Sinfônica de Boston.
Entre 1955 e 1956, estréiam o "Concerto para Harpa e Orquestra" e o "Concerto para Violão e Pequena Orquestra", escritos para o harpista Nicanor Zabaleta e o violonista Andrés Segóvia - solistas dos concertos dirigidos por Villa-Lobos, para a Orquestra Sinfônica da Filadélfia e da Orquestra Sinfônica de Houston- Estados Unidos.
Em 1957, rege  "Fantasia para Violoncelo e Orquestra", à frente da Stadium Symphony Orchestra (Orquestra Filarmônica de Nova York) tendo como solista o violoncelista brasileiro Aldo Parisot.
Recebe várias homenagens na comemoração de seu 70º aniversário:
Em São Paulo, capital, a "Semana Villa-Lobos" e no  Brasil, é declarado o Ano Villa-Lobos, iniciativa do ministro da Educação e Cultura, Clóvis Salgado.
Na Inglaterra, rege a Orquestra Sinfônica de Londres em concerto especial.
Nos EstadosUnidos recebe citação por Serviços Meritórios e Excepcionais da Municipalidade da cidade de Nova York, e editorial especial em sua honra, no New York Times.
Em 1958 assiste à estréia de "Bendita Sabedoria", uma  seqüência de música sacra similar a textos bíblicos, dedicada à Universidade de Nova York, pela qual recebe o título de "Doutor Honoris Causa".
Em Bruxelas é recebido pela Rainha Elizabeth e dirige a Orquestra Sinfônica da Bélgica.
Teve participação musical no filme "Green Mansions", estrelado por Audrey Hepburn e Anthony Perkins e dirigido por Mel Ferrer , produção da  MGM - Metro Goldwyn Mayer.
Compõe para a Violoncello Society, "Fantasia Concertante" para orquestra de violoncelos,  estreiando no
Town Hall de Nova York.
Em 12 de julho de 1959, no Empire State Music Festival, em Nova York, dirige a Symphony of the Air (último concerto do compositor).
Fazem parte do programa: "Choros Nº 6", "Papagaio do Moleque", "Uirapuru", "Descobrimento do Brasil - 1ª Suíte" e, em primeira audição mundial em concerto, as quatro canções da "Floresta do Amazonas", interpretadas pelo soprano Ellinor Ross.
Em entrevista neste mesmo dia ele diz: "Este negócio de vir inspiração, não existe em mim. Eu nasci inspirado já. Ô,ô...eu faço a coisa, ou não...ou faço uma boa coisa, ou faço uma porcaria".
Heitor Villa-Lobos faleceu no dia 17 de novembro, aos 72 anos de idade. Seu corpo foi velado no Theatro Municipal e enterrado no Cemitério São João Batista. Na lápide de seu túmulo lê-se:
"Considero minhas obras como cartas que escrevi à Posteridade sem esperar resposta".
Villa-Lobos compõs e interpretou a cultura brasileira de dentro da alma, com uma excepcional visão do futuro, ainda vislumbrada.
Um gênio desbravador de fronteiras burocráticas, mostrando para o mundo um Brasil cheio de cultura, infiltrando em todos níveis sociais através da música e possibilitando a introdução da arte no ensino brasileiro.
Heitor Villa-Lobos é um Arquiteto da Música Universal!!!



Artigo publicado na Revista Mundo em Estilo em 02.06.2010 em Mídia Social-PLU$ by Jade da Rocha


Terapia Floral + Ervas Medicinais by Jade da Rocha


                                           
A TERAPIA FLORAL além de amenizar dores e prevenir doenças, também nos auxilia no reconhecimento de quais doenças se instalam em nosso corpo, não por um acaso, mas sim fruto dos nossos conflitos internos, dificuldades de vencer o orgulho, falhas, crueldade, egoismo, ódio, instabilidade, cobiça....

Na realidade, expande a nossa capacidade de amar incondicionalmente...
As ERVAS MEDICINAIS têm uma grande influência na cura de doenças do organismo e nós temos o direito de nos valer desses recursos naturais;
Para o coração , é usado o alecrim, salvia, confrei e bardana.
A tamchagem é usada para conplicações no ovário e impotência sexual.
Em caso de depressão o alecrim é um santo remédio.
A aroeira mansa é indicada contra reumatismo, ciática e diarréia, e as hemoptises, atonia muscular, distensão dos tendões, artrite, fraqueza dos órgãos digestivos, tumores e também na cura de úlceras, diabete, dores na garganta,rins, doenças na pele e cicatrizante, qualquer tipo de inflamação e até mordida de cobra.

Obs: A Aroeira de que estamos tratando não deve ser confundida com as aroeiras brancas ou aroeiras bravas. Estas são extremamente cáusticas, podem causar afecções cutâneas semelhantes à urticária ou edema.

A folha de fogo é encontrada na Floresta do Mato Alto e e usada para o tratamento de micose.

- Você deve cozinhar 20 g de folhas de fogo em 5 litros de água, durante 15 minutos. Lavar a parte do corpo com micose uma vez ao dia até que desapareça.


* Artigo publicado na Revista Mundo em Estilo

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Cavalia: Uma celebração de sonho e liberdade by Jade da Rocha



Miami, FL - No espetáculo "Cavalia", Normand Latourelle e sua entourage são um tributo à liberdade. Uma extravagância de mais de 100 artistas figurantes, onde o estressante cotidiano permanece do lado de fora das majésticas tendas brancas. Tendas estas que permanecerão em Miami até o dia 14 de Fevereiro de 2010, devido à demanda da audiência por uma extensão do show no Bicentennial Park "next door to Bayside and American Airlines Arena"...


Cavalia é hoje considerado um dos maiores espetáculos equestre do planeta onde mágica,
romance poético e a conecção humana marcham juntos em direção à materialização de um sonho
adormecido envolto de dançarinos, músicos (musica ao vivo), acrobatas, cavaleiros, interconectados
com 60 cavalos bailarinos de 12 diferentes raças em harmonia divinamente transparente.
Interpretação angelical onde o espelho interior transcende em um vôo de pura liberdade.
Um toque de mágica ao atravessar a floresta secreta para quem já esteve perto deste vôo onde somente
pessoas de nível espiritual elevados consequem chegar. A adrenalina onde o tempo para e o maior show
da terra nos faz sonhar. Sonhar o sonho de liberdade!

O visionário Normand Latourelle -amante da liberdade fundador e diretor artístico de CAVALIA, após
a experiência da produção Cirque du Soleir, Canada’s 2001 Summit of the Americas,
O som e luz do show em Ottawa no Parliament Hill, a celebração do 350th  aniversário da fundação de
Montréal, do show "Les Légendes Fantastiques"em Drummondville, Quebec, vôou para
a França e dedicou-se à nova concepção da arte equestre nascendo então
o inigualável e inimaginável show CAVALIA.


"Cavalia é inocencia de pensar e o pensamento envolve em sonhar, onde as portas se abrem para amar."

"Cavalia est l'innocence de la pensée, et la pensée impliqués dans le rêve, où les portes sont ouvertes à l'amour ".

"Cavalia is innocence of thinking, and thought involved in dreaming, and doors are open to love".

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

We are the World em prol do Haiti by Jade da Rocha






We Are the World em prol do Haiti
By Jade da Rocha
 
Los Angeles- 01/02/2010
 
Lionel Richie confirmou durante o Grammy Awards 2010 o remake da música
"We Are the World" em benefício das vítimas da catástrofe no Haiti."We Are the World" é um projeto de Lionel Richie e Quince Jones que comemora neste ano os seus 25 anos de criação do sucesso musical, do qual em  1985 angariou fundos para ajudar a
matar a fome na África organizado originalmente por Michael Jackson,
Lionel Richie e Ken Kragen.
Naquela época reuniram os melhores vozes do planeta juntamente
com o co-author da música "We Are the World" Michael Jackson (in memory).
Richie em Jones, pretendem incluir Michael Jackson na apresentação
e aproveitar para passar o bastão para a nova geração de músicos para dar
continuação deste projeto maravilhoso de preservar, amar, compartilhar
um mundo melhor para o futuro das crianças.






We are the world
We are the children
We are the ones who make a brighter day
So let's start giving
There's a choice we're making
We're saving our own lives
It's true we'll make a better day
Just you and me...
 








*Artigo publicado na Revista Mundo em Estilo